Domingo, 09 de agosto de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Camanha ProPiauí Julho
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Pet

R10 Pet

R10 Pet Tudo sobre o mundo dos pets.

[email protected]

86 9 9834-2372

Entretenimento - Confira

Postada em 30/07/2020 ás 10h39

Publicada por: Francine Dutra

Conheça os cuidados para ter com filhotes de cães e gatos
Veterinária aponta tudo é preciso saber para ter o bichinho em casa.
Conheça os cuidados para ter com filhotes de cães e gatos

Foto: Reprodução

A chegada de filhotes, seja de gato ou cão, na família é sempre motivo de grande alegria para quem deseja ter um pet. Mas para que os bichinhos se sintam bem e sejam saudáveis desde os primeiros meses de vida, há responsabilidades que o tutor precisa ter com eles. A médica veterinária Nathália Lopes, Royal Canin Brasil, aponta os cuidados essenciais aos pequenos desde antes de você adquirir algum.

Antes de ter o pet

Muitas pessoas podem optar pelo pet em um momento de impulso e não se preparar devidamente para ter um. A especialista separou algumas orientações para você tomar essa atitude com total consciência:

- Pesquise sobre o animal que deseja e veja se ele é compatível com o seu estilo de vida e perfil familiar.

- Adaptação do ambiente: Quanto menor for o espaço na sua casa, menor deve ser o cão para que ele se acomode bem durante o dia, além dos passeios. Gatos costumam se adaptar bem a ambientes pequenos, pois se beneficiam de verticalização, como implementação de prateleiras.

- Os filhotes requerem cuidados veterinários mais frequentes e precisam de uma quantidade significativa maior de atenção em comparação com um cão ou gato adulto.

- Considere que o tempo médio de vida de um animal é de 12 anos. Pergunte à família se todos estão de acordo, se há recursos necessários para mantê-lo e verifique quem cuidará dele nas férias ou em feriados prolongados. Não haja por impulso.

- Caso já tenha outros cães em casa, apresente o novo morador de forma gradual e fique sempre atento à convivência.

O que ter em casa para fornecer conforto ao animal?

Para ajudar o bichinho a se estabelecer e oferecer total conforto a ele, Nathália Lopes ainda separou uma lista de itens essenciais com tudo o que você precisa, veja:

- Cama do filhote: o filhote precisa de tempo suficiente para descansar e dormir quando chegar, pois isso o ajuda a crescer. Por isso, providencie uma cama confortável para ele. As camas devem ser posicionadas em um canto quieto onde o filhote tenha espaço próprio.

- Tigelas de comida e água: Tigelas de aço inoxidável são recomendadas, pois são mais higiênicas e fáceis de limpar, além de não quebrarem ou lascarem como tigelas de cerâmica. Devem ser posicionadas em um lugar permanente, quieto e seguro para que ele tenha uma área apropriada para se alimentar. É melhor deixar uma pequena tigela para comida e uma tigela maior cheia de água.

- Escova ou pente de cuidados com higiene e beleza: Ele precisará de uma escova ou de um pente apropriado para manter a pelagem saudável. Realizar os cuidados do seu filhote regularmente vai familiarizar ele com o ato de ser tocado e manipulado por pessoas.

- Brinquedos: dar brinquedos para ele brincar é uma boa maneira de socializar e evitar que ele mastigue os móveis. É importante escolher um brinquedo que seja apropriado para o tamanho do filhote. Os brinquedos devem ter o dobro do tamanho da boca para evitar o risco de asfixia ou estrangulamento. Quando os brinquedos começarem a mostrar sinais de desgaste, você deve descartá-los para também evitar acidentes.

- Coleira e guia: embora eles não se aventurem além do jardim nos primeiros dias, uma coleira e guia são essenciais para que seu filhote se acostume a usá-las. Certifique-se de que a coleira esteja bem firme para que não escorregue sobre a cabeça do filhote e coloque uma plaquinha com seu nome e número de telefone.

- Escova de dentes (de dedo): embora o filhote possua a dentição primária “dentes de leite”, é importante habituá-lo a uma rotina de escovação diária dos dentes. Essa rotina se mostrará um forte recurso para reduzir o risco do surgimento da doença periodontal quando adulto.

- Contenção adequada para andar de carro: caixa de transporte e cinto de segurança são algumas opções encontradas para não deixar o animal solto dentro do carro durante o transporte.

- Tapete higiênico ou caixa de areia: o uso do tapete e da caixa de areia (para gatos) fará parte do processo de educação para eliminação das necessidades em local apropriado.

Alimentação nas primeiras semanas de vida

Os filhotes terminam a amamentação aproximadamente, entre a 3ª e a 8ª semana depois do nascimento. Após isso, a transição entre o leite materno e a nova dieta do filhote deve ser gradual e sob orientação de um médico veterinário, pois sofrerá influência da qualidade do leite da mãe e quantidade de filhotes na ninhada, por exemplo.

O ideal é que ele consuma um alimento próprio para sua idade, porte e raça. Oferecer nessa fase variedade de texturas do alimento, como seco (em grãos) e úmidos (em sachês ou lata) ajudará o animal a ser menos seletivo e exigente na hora da alimentação quando adulto.

Higiene

Deve-se evitar banhos antes dos 3 meses de idade. Geralmente, é possível fazer a higienização dos filhotes com gaze ou algodão embebidos em uma solução própria – orientada pelo médico veterinário. Dessa forma, você pode higienizar os olhos, possíveis secreções nasais, orelha externa e órgãos genitais. Além disso, a escovação mantém os pelos com brilho e desembaraçados.

A necessidade do banho e frequência vai depender muito das características do animal (tipo de pele e pelagem) e do estilo de vida. É importante considerar água morna, uso de shampoos próprios para animais e garantia de que sejam secos e se mantenham aquecidos durante e após o banho.

Saúde do filhote

Assim como os seres humanos, os pets também precisam ir ao médico para fazer check-ups regulares. A frequência da ida ao profissional vai depender principalmente da idade dele e da condição de saúde pré-existente. Até os 6 meses, o ideal é que sejam feitas consultas mensais. A partir de então, podem vir a ser anuais, garantindo que ele tome todas as vacinas necessárias.

Os gatos ainda apresentam uma situação mais delicada, pois muitos tutores deixam de levar o animal ao consultório. Os felinos, diferente dos cães, podem demorar mais para apresentar sintomas, fazendo com que possíveis doenças cheguem a estágios avançados, sem que o tutor perceba. Portanto, é extremamente necessário se atentar a isso.

Outra coisa a se atentar é a respeito da castração dos pets. Tanto em cães como em gatos, a castração pode ser feita ainda no primeiro ano de vida. O usual é que ocorra a partir dos 6 meses de idade. Para isso, é ideal que um veterinário seja procurado para indicar o melhor mês em que o animal poderá ser castrado.

Fonte: Canal do Pet

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium