Sábado, 31 de Outubro de 2020
86 9 8877-6606

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 98877-6606

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

31°

23° 38°

Teresina - PI

Últimas notícias
Saúde
Saúde
Encontre aqui notícias sobre saúde e bem-estar.
Saúde Risco à saúde
26/09/2020 14h55 Atualizada há 1 mês
Por: Francine Dutra

Brasileiros consomem mais açúcar do que deveriam, diz pesquisa

Dados mostram que falta de informações influencia no excesso do consumo.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo diário de até seis colheres de chá de açúcar (ou 25 gramas), mas pelo menos 37% dos brasileiros ultrapassa essa quantidade todos os dias. É o que revela uma pesquisa encomendada pelo WW Vigilantes do Peso, em parceria com a Opinion Box, sobre a relação das pessoas com o ingrediente no país, feita com mais de mil entrevistados entre 18 e 50 anos de todas as regiões do Brasil. O levantamento mostra ainda que a falta de conhecimento sobre a presença do açúcar nos alimentos influencia no excesso do consumo.

Apesar de 85% dos participantes afirmarem que estão cientes das diretrizes da OMS, boa parte deles demonstrou não saber claramente quais alimentos possuem açúcar na composição. Isso porque apenas 23% têm o hábito de ler as tabelas nutricionais "sempre" ou "quase sempre".

A falta de clareza fica ainda mais evidente quando os participantes responderam quais alimentos continham o ingrediente. Enquanto 93% reconheceram que há açúcar em bolos e tortas, o índice cai para 45% na percepção sobre macarrão e massas em geral. Os carboidratos comuns ainda tiveram uma das maiores taxas de consumo semanal dos respondentes (52%), ao lado de outros produtos com açúcar, como doces e biscoitos (53%).

Continua depois da publicidade

"A OMS considera não só o açúcar que conseguimos ver, como o que adoça o café ou está nas receitas de doces, mas também o que está nos alimentos natural ou artificialmente. Ou seja, o índice de 37% não contabiliza o total de pessoas que ultrapassa a recomendação diária já que, muitas vezes, não sabem quais alimentos contém a substância", avalia o nutricionista do WW Vigilantes do Peso, Matheus Motta.

O conhecimento está ainda mais restrito já que a indústria alimentícia brasileira não tem obrigatoriedade de reportar se o açúcar está presente ou não nos seus produtos. "O que vemos nas embalagens são termos como sacarose, maltodextrina, glucose ou xarope de milho, que são basicamente açúcar disfarçado, mas a maioria das pessoas não sabe", acrescenta Motta.

Para ajudar o brasileiro a criar hábitos mais saudáveis e ter conhecimento sobre o que se consome, o WW Vigilantes do Peso lançou o 'do meu jeito', novo programa que oferece flexibilidade para quem busca uma rotina que priorize a saúde, sendo a maior inovação da empresa em oito anos. A partir de agora, o Associado conta com um novo sistema de pontos, os PontosSmart – que traduzem informações nutricionais complexas em um único número – e com o primeiro medidor de açúcar do Brasil, ferramenta que estima se há e quanto há de açúcar nos alimentos brasileiros. A funcionalidade ajuda na leitura das tabelas nutricionais dos alimentos industrializados, tornando o Associado ainda mais livre e consciente para fazer as próprias escolhas sobre o que quer consumir.

Continua depois da publicidade

Hábitos mudaram com o isolamento social

Os hábitos alimentares mudaram consideravelmente entre os respondentes da pesquisa durante o isolamento social. Para 43%, a alimentação “piorou” ou “piorou muito” na quarentena. Além disso, a preferência dos respondentes por alimentos com alta concentração de açúcar cresceu, como doces e biscoitos (25%) e pães (32%), além das carnes (26%).

A pesquisa revelou ainda que os brasileiros aumentaram o consumo de chocolates (21%), bolos e tortas (17%) e bebidas alcoólicas (12%) durante a quarentena, associando os alimentos diretamente aos sentimentos de felicidade e conforto, enquanto o principal motivo para consumir mais os alimentos como macarrão, produtos industrializados, congelados e fast food é a praticidade. Apenas 14% afirmaram que não houve aumento no consumo desses e de outros alimentos durante o período.

Continua depois da publicidade

Consequências a curto e longo prazo

O consumo excessivo de açúcar colabora com o desenvolvimento de diferentes doenças no corpo, que podem se manifestar a curto ou a longo prazo. Entre os respondentes da pesquisa, 91% entendem que consumir muito açúcar pode potencializar o surgimento de diabetes; 80% veem a obesidade como um dos principais problemas e 71%, a cárie nos dentes.

"A ingestão desregrada de açúcar também pode resultar em doenças cardíacas, colesterol alto, baixa disposição, acne e dificuldade de foco. Por isso, batemos na tecla de que é importante ter consciência sobre o que o brasileiro está consumindo, além da adoção de hábitos saudáveis para uma vida toda", finaliza o nutricionista do WW Vigilantes do Peso.

Fonte: Notícias ao Minuto
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®