Sábado, 05 de Dezembro de 2020
86 9 8877-6606

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 98877-6606

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

26°

24° 34°

Teresina - PI

Últimas notícias
Saúde
Saúde
Encontre aqui notícias sobre saúde e bem-estar.
Saúde Vacina contra covid
20/10/2020 17h20 Atualizada há 1 mês
Por: Francine Dutra

Ministério da Saúde anuncia compra de 46 milhões de doses da CoronaVac

O anúncio foi feito durante reunião com 24 governadores na tarde de hoje (20), em um fórum virtual.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde anunciou hoje (20) que o governo federal vai comprar 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo Instituto Butantan, em São Paulo, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Life Science.

Segundo as informações, o custo será de R$ 2,6 bilhões, considerando-se a cotação do dólar de R$ 5,60, cada dose sairá ao preço de US$ 10,30 (cerca de R$ 58). Para isso, o ministério anunciou que será editada uma nova MP (Medida Provisória) para disponibilizar crédito orçamentário de R$ 1,9 bilhão.

A vacina, segundo o ministro Eduardo Pazuello, será incluída no PNI (Plano Nacional de Imunizações). "Temos a expertise de todos os processos que envolvem esta logística, conquistada ao longo de 47 anos de PNI. As vacinas vão chegar aos brasileiros de todos os estados", disse o general.

Continua depois da publicidade

O anúncio foi feito durante reunião com 24 governadores na tarde de hoje, em um fórum virtual.

As 46 milhões de doses devem ser entregues até dezembro de 2020, segundo o cronograma do Ministério da Saúde. Destas, seis milhões serão produzidas na China e entregues em frascos unidose; as 40 milhões restantes, estas em frascos multidoses, ficarão a cargo do Instituto Butantan.

O cronograma indica ainda que mais 15 milhões de frascos multidoses serão distribuídos até fevereiro de 2021. Já em junho de 2021, a previsão é que se entregue outros 40 milhões de frascos multidoses, todos produzidos pelo Butantan.

Continua depois da publicidade

AstraZaneca terá produção a partir de abril

Além desta, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) deve começar, a partir de abril, a produção própria da vacina da AstraZeneca, desenvolvida junto à Universidade de Oxford (Reino Unido), e disponibilizar ao país até 165 milhões de doses ao longo do segundo semestre de 2021.

Como a Butantan-Sinovac e a AstraZeneca-Oxford estão em etapas avançadas de produção — ambas em fase 3, a última do processo, quando são testadas em milhares de pessoas —, a previsão é de que a vacinação comece em janeiro de 2021. Mas elas ainda devem ser liberadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e ter eficácia e segurança garantidas, como determina o Ministério da Saúde.

Continua depois da publicidade

De acordo com a pasta, profissionais de saúde e grupos de risco deverão ser os primeiros a receber a vacina.

O Ministério da Saúde anunciou ainda que acompanha mais de 200 estudos referentes à produção das vacinas contra a covid-19 e não descarta novas compras, caso haja necessidade. A prioridade, segundo a pasta, é entregar à população brasileira, no menor tempo possível, "uma solução segura e eficaz para a doença".

São Paulo não dá previsão

Após anunciar que uma possível vacinação da população de São Paulo contra o coronavírus poderia começar este ano, o governo de João Doria recuou e adotou um tom mais cauteloso, dizendo que ainda não é possível precisar quando as doses estarão disponíveis.

"As perspectivas são otimistas, mas não podemos dar data precisa de quando isso vai acontecer. Esperamos que até o final desse ano", declarou ontem o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, durante entrevista no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

Anteriormente, Doria havia dito que a CoronaVac poderia começar a ser aplicada em profissionais de saúde a partir de 15 de dezembro, caso fosse aprovada em todos os testes. Covas, no entanto, disse ao UOL que "não crê" neste prazo.

Especialistas já vinham dizendo que dificilmente haveria alguma vacina pronta para aplicação este ano. A própria OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que o Brasil não terá uma vacinação em massa contra o novo coronavírus nem no ano que vem. A entidade acha que a população mundial terá de esperar até 2022.

Fonte: UOL
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®