Domingo, 01 de Agosto de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

32°

22° 35°

Teresina - PI

Últimas notícias
R10 Mulher
R10 Mulher
Tudo sobre a mulher moderna.
Geral Beleza
22/10/2020 10h01 Atualizada há 9 meses
Por: Bruna Sampaio

Técnica moderna de silicone permite retorno às atividades em até 24h

Muitas mulheres postergam ou até mesmo desistem de colocar silicone nos seios devido ao pós-operatório delicado da cirurgia, que obriga pacientes a ficarem ao menos 15 dias sem dirigir e erguer os braços.

Buscando tornar essa quinzena posterior ao procedimento um pouco menos limitante, uma nova técnica foi criada. Conhecida como prótese de mama de recuperação rápida, ela permite o retorno às atividades em menos de 24h. Resumindo, no dia seguinte à cirurgia, já é possível voltar a trabalhar, dirigir, lavar os próprios cabelos e até carregar 15kg sem quaisquer restrições.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O movimento de levantar os braços pode ser realizado ainda mais rapidamente, apenas alguns minutos após a intervenção.

“Batizada de Fast Track Recovery, a técnica foi desenvolvida pelo médico norte-americano John B. Tebbets no ano de 2002, mas só agora se popularizou no Brasil”, afirma o cirurgião plástico Cristian Haesbaert.

Segundo ele, o procedimento causa sangramento mínimo e menos trauma cirúrgico, dando mais autonomia às pacientes durante o processo de recuperação. “Isso graças à uma técnica refinada de implante, aliada a medicações anestésicas diferenciadas e fisioterapia desde o pós-operatório imediato”, explica.

A cirurgiã Milena Carvalho, revela que a intervenção segue 14 passos de segurança. O protocolo rígido, além de garantir ótimos resultados, evita complicações a longo prazo e até torna a técnica mais confiável que a tradicional.

“Esse tipo de implante, assim como o mais comum, pode ser realizado a partir dos 16 anos e, no geral, não tem grandes contraindicações”, informa a médica. Pessoas que já se submeteram a alguma plástica nos seios ou têm mamas muito flácidas, por exemplo, não são as mais indicadas para fazer o procedimento.

Apesar de proporcionar uma recuperação rápida e segura, a técnica não acelera o retorno da sensibilidade dos mamilos. “A cirurgia não traz nada de novo nesse sentido. A sensibilidade é um fator peculiar de cada paciente e varia muito de mulher para mulher”, elucida.

Por ser mais inovador e exigir mais habilidade do cirurgião, o procedimento é mais caro. Chega a custar o dobro que o convencional.

A duração das cirurgias é a mesma: 1h. A alta médica também é similar. Ambas costumam permitir que a paciente volte para casa dentro de 3h. As duas ainda são realizadas, na esmagadora maioria dos casos, através de uma incisão no sulco mamário, deixando uma pequena cicatriz.

Vale ressaltar que técnicas para aumentar os seios estão entre as mais procuradas no país — e seguem em ascensão. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), quando os números de implantes mamários de 2018 e 2016 são comparados, é possível notar um crescimento de 9,3%.

Fonte: Metrópoles
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp