Quinta, 29 de Julho de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

28°

23° 34°

Teresina - PI

Últimas notícias
R10 LGBT
R10 LGBT
Últimas e principais notícias sobre LGBT.
Polícia Crime
22/10/2020 10h41
Por: Francine Dutra

Mulher trans é atacada com 30 facadas e pula de carro em movimento

Uma mulher trans de 28 anos foi agredida por dois homens na manhã do sábado (17) em Içara, no Sul de Santa Catarina.

A vítima, identificada como Rebeka Curtts, estava dirigindo quando começou a ser agredida. Ela precisou pular do carro em movimento e pedir ajuda.

Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

Os bombeiros a socorreram e levaram para o hospital. Ainda no sábado ela recebeu alta e nesta segunda-feira (19) se recuperava em casa.

Continua depois da publicidade

A vítima contou à policia que um dos homens era cliente dela há alguns meses e que devia mais de R$ 1 mil. Rebeca, que trabalha como acompanhante e massagista, disse ainda que o homem marcou um encontro dizendo que iria quitar a dívida, e que levaria um amigo junto.

Ele teria tentado fazer o pagamento em uma máquina de cartão, mas a transação não deu certo. Foi nesse momento que as agressões começaram.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil como tentativa de latrocínio, pois os suspeitos fugiram levando o carro da vítima. O veículo foi abandonado em seguida, mas a polícia não deu informações sobre os suspeitos

A vítima planeja pedir uma medida protetiva contra os dois autores, pois um dos homens sabe a localização da casa em que mora.

“Eu estou com medo. Uma amiga disse que ele era muito perigoso. Os dois estão foragidos, e um deles me conhece bem”, contou a vítima.

Ela foi atingida mais de 30 vezes e, no hospital, recebeu mais de 100 pontos.

Em casa, Rebeka ainda se recupera dos hematomas que sofreu no rosto, pernas, cabeça. “Foram três no peito e uma delas [facadas] está me incomodando mais”, conta.

“Eles não estragaram a minha vida porque eu tenho Deus e não era a minha hora. [...] Ali no carro eu achei que seria morta dessa vez. Era muita facada. O que me deu forças foi Deus. Eu pedi pra Deus pra me dar força, e pensei na minha mãe, que sofre de depressão", relembra.

Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp