Domingo, 09 de Maio de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

31°

23° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
R10 Auto
R10 Auto
Confira todas as notícias sobre carros, motos, lançamentos, além de segredos e guia de compras.
Entretenimento Representatividade
10/11/2020 11h46
Por: Francine Dutra

#ElasPilotam: brasileira cria movimento de mulheres motociclistas

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Se você pensa que mulher e duas rodas só combinam na garupa, é bom não cruzar o caminho da motociclista Bruna Wladyka. Aos 30 anos, a curitibana está atropelando todos os estereótipos como a primeira brasileira a participar de uma das principais competições mundiais de Flat Track, uma modalidade de corrida de motocicleta em torno de uma pista oval não pavimentada. E é para incentivar outras mulheres a fazerem o mesmo que Bruna fundou o projeto #ElasPilotam, um movimento dedicado às apaixonadas pelo motociclismo.

"Sempre intitulei como um movimento por ser algo livre, aberto e que todas as mulheres podem fazer parte, seja pilotando ou na garupa", explica a motociclista. No Instagram, Bruna Wladyka possui 16 mil seguidores. Já a hashtag #ElasPilotam tem mais de 40 mil publicações.

 "Tenho uma felicidade imensa em dizer que mulheres do Brasil inteiro usam a hashtag e vestem a causa do movimento feminino dentro do mundo duas rodas".

Continua depois da publicidade

Segundo dados do Denatran analisados pela Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares) a taxa de mulheres que tiraram a CNH na categoria saltou 89% em oito anos, representando 7,5 milhões de motociclistas brasileiras em 2019  

Em 2017, Bruna foi uma das responsáveis por resgatar o primeiro Muro da Morte da América Latina, uma tradição centenária nas quais as motos andam nas paredes 90º.

"Eu acho que a gente balançou as estruturas do motociclismo. O #ElasPilotam tem o papel de conectar mulheres apaixonadas por motocicleta, mostrando que elas também são consumidoras e não devem ser discriminadas" , conta Bruna, que entrou para o mundo do motociclismo trabalhando na produção de eventos e direção de arte.

"Foi aí que eu mergulhei de cabeça na história do motociclismo e percebi o quanto as mulheres fazem parte dela", explica Bruna, relembrando mulheres como Margaret Gast e Olive Harger, as primeiras motociclistas a pilotarem no Muro da Morte em 1914. Elas formavam equipes femininas com nomes como "Mile a Minute Girls", "Speed Queens" e "Danger Dames", em atrações nas quais se mostravam tão corajosas quando os motoqueiros. Segundo conta Bruna, algumas delas se vestiam de homens ou fugiam com o circo para poderem se apresentar.

"Temos que pensar que elas foram muito corajosas para a época e quebraram todos os padrões".

Fonte: R7
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp