Sábado, 25 de Junho de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

24°

21° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
R10 Pet
R10 Pet
Tudo sobre o mundo dos pets.
Entretenimento Veja como funciona
13/11/2020 09h02
Por: Francine Dutra

Quem fica com o pet após a separação? Advogada explica o que fazer

Começou um relacionamento sério, adotou um pet e o amor acabou? E o pet, fica com quem fica e como a guarda será dividida? Para tirar essas dúvidas a advogada Renata Ricca explica um pouco mais sobre o assunto.

No Brasil ainda não há uma lei que regule os termos e condições a serem aplicados em caso de separação dos tutores de um pet.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Hoje em caso de divórcio, Renata explica que é aplicada a lei 11.698/2008, em que são divididas todas as decisões referentes ao pet e da mesma forma, os custos e despesas. "Da mesma forma, com relação as visitas e convivência, quem tem mais disponibilidade, permanece por mais tempo, alternando os finais de semana e com possibilidade de visitas e pernoite durante a semana", afirma.

Essa regulamentação de guarda compartilhada pode ser feita em um acordo extrajudicial, quando ambos estabeleceram um diálogo e já estipulam quem fica com o animal e as condições em comum acordo. Após esse acordo, as partes podem entrar em um processo para homologar a decisão pelo juiz.

Mas, caso as partes não se resolvam e entrem um conflito, o jeito é partir para um processo litigioso. Nesse caso, um juiz de família decidirá todas as condições e quem terá a guarda. Em um pedido deste tipo, Renata aponta quais são os critérios de decisão. "O juiz vai analisar a relação de afeto do animal e seus donos, bem como disponibilidade e vontade de cada indivíduo em permanecer com o pet", diz.

Se uma das partes for irredutível e não permitir visitas ou a divisão da guarda, Renata recomenda a entrada com processo na justiça. "O procedimento é o ingresso de ação na justiça para formalizar o direito de acesso ao animal, bem como a possibilidade de divisão de gastos e despesas", diz. 

Ela ainda lembra que o casal deve pontuar todas as despesas que são provenientes do pet e dividir conforme a possibilidade de ganho. "Quem pode mais, contribui com uma parte maior e quem pode menos, contribui com uma parte menor. E se ambos tem as mesmas condições financeiras, dividem igualmente", afirma.

Fonte: Canal do Pet
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp