Terça, 19 de Janeiro de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

23°

24° 31°

Teresina - PI

Últimas notícias
Radar Político
Radar Político
Últimas notícias, entrevistas, reportagens e análises sobre o que acontece na política.
Política Veja a lista
23/11/2020 10h27 Atualizada há 2 meses
Por: Marina Sousa

Preço do seu voto: quanto cada candidato a prefeito custou para os cidadãos

Os votos destinados aos sete prefeitos já eleitos e aos 36 que aguardam o 2º turno custaram mais de R$ 166,6 milhões em recursos públicos.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Não é à toa quando dizem que tudo tem seu preço. Nas eleições de 2020, chegar ao posto de prefeito ou candidato a segundo turno das capitais do 26 estados brasileiros foi tarefa árdua e dispendiosa.

De acordo com levantamento do (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, com base nos balanços do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cada um dos 11.683.335 votos dos sete mandatários já definidos e dos 36 que aguardam o 2º turno, no próximo dia 29, custaram, em média, R$ 14,26 em recursos públicos do fundo eleitoral, distribuídos pelo TSE. Ao todo, o montante equivale a R$ 166.604.357,1‬0.

Os números foram obtidos por meio da divisão da quantidade de votos que os candidatos conquistaram pelos valores que cada um recebeu dos partidos. Na conta, o Metrópoles desconsiderou doações de pessoas físicas.

Continua depois da publicidade

A realidade, no entanto, foi mais pesada em algumas capitais. Entre os sete prefeitos que já venceram a corrida eleitoral, por exemplo, os 46.243 tocantinenses que votaram em Cinthia Ribeiro (PSDB) foram os mais caros, custando R$ 36,84 por “confirma” na urna. No polo oposto do ranking, Marquinhos Trad (PSD), eleito em Campo Grande (MS), desembolsou R$ 1,43 de verba pública para cada um dos seus 218.418 apoiadores.

Em relação aos políticos que ficaram para segundo turno, os eleitores de Ottaci (SD), candidato em Boa Vista (RR), inflacionaram a disputa, cada um valendo R$ 54,37 – o maior valor pago até agora. O custo do voto do adversário, Arthur Henrique (MDB), foi mais em conta: o emedebista recebeu 4,6 vezes mais votos e pagou 2 vezes menos por cada apoio nas urnas.

No Piauí, cada piauiense a favor do candidato a prefeito, Kleber Montezuma (PSDB), custou R$ 28,67 em recursos públicos. Já o custo de cada voto obtido por Dr. Pessoa (MDB) foi de R$ 6,89. Ambos ficaram na disputa para o segundo turno na capital. (Veja lista completa no final da matéria)

Continua depois da publicidade

Na contramão de todos, está o delegado federal Eguchi (Patriota), uma das opções dos moradores de Belém (PA), que não recebeu, segundo consta nos dados do TSE, sequer um centavo do partido.

“O grande financiador da campanha deste ano foi o fundo eleitoral. Foi o nome do jogo, ainda mais em campanhas nas capitais. Para conseguir voto em grandes cidades, com grande extensão geográfica, tem de gastar”, disse Victor Trujilo, professor especialista em marketing eleitoral. “No entanto, apenas recurso não elege ninguém. Vai depender também do potencial do candidato: carisma, histórico político e reputação. O valor do voto vai levar em conta esses fatores”, explica.

Continua depois da publicidade
Fonte: com informações Metrópoles
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®