Sexta, 15 de Janeiro de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

34°

24° 35°

Teresina - PI

Últimas notícias
Blog do Lucão
Blog do Lucão Fique por dentro de tudo que acontece na região.
Cidades Polícia
01/12/2020 06h33 Atualizada há 1 mês
Por: Blog do Lucão

Mulher é presa por injúria racial e homofobia em São Luís

Ela chegou em São Luís recentemente e trabalhava como garota de programa.

Karina Ferreira foi presa e levada para a Penitenciária de Pedrinhas pelos crimes de injúria racial e homofobia — Foto: Reprodução/TV Mirante
Karina Ferreira foi presa e levada para a Penitenciária de Pedrinhas pelos crimes de injúria racial e homofobia — Foto: Reprodução/TV Mirante

Uma mulher foi presa, em São Luís, pelos crimes de injúria racial e homofobia. De acordo com o publicitário Marcondes Soares, de 37 anos, o crime aconteceu no domingo (29) em um flat no bairro da Ponta d'Areia, onde ele mora.

As palavras de ódio teriam sido proferidas por uma hóspede chamada Karina Ferreira Lima, de 23 anos, natural de Araguaína, no Tocantins. Ela chegou em São Luís recentemente e trabalhava como garota de programa.

Publicitário Marcondes Soares afirma ter sido vítima de injúria racial em São Luís — Foto: Reprodução/TV Mirante

"Eu falei: 'Meu anjo, o banheiro feminino fica do lado, não fica do lado esquerdo. Estou falando com você já faz um tempinho e você não está dando ouvidos'. Aí ela disse: 'Você não percebeu que eu não quero falar com você? Que eu não fui com a sua cara? Seu preto. Seu macaco. Olha sua pele. Sua pele é feia, sua tatuagem é horrível. Seu cabelo é horrível, por que você pintou o cabelo desse jeito?", disse Marcondes.

O caso foi denunciado na delegacia e Karina foi levada pela Polícia Militar para prestar depoimento, no Centro de São Luís. Ela negou todas as acusações do publicitário.

Entretanto, o delegado Daniel Brandão afirmou que seis testemunhas foram até a delegacia e confirmaram a versão de Marcondes, al. Por isso, Karina foi presa, não teve direito a fiança e foi levada para a Penitenciária de Pedrinhas pelos crimes de injúria racial e até homofobia.

"Nós colhemos os depoimentos e ficou evidenciado a prática do crime de injúria racial e de homofobia ou identidade de gênero. Houve um concurso formal de crimes. Nesse caso, a somatória das penas previstas em abstrato acabou que não foi possível que fosse concedida a fiança na esfera policial", disse o delegado.

Marcondes afirmou que nunca pensou que isso fosse acontecer com ele e que só tomou a atitude de denunciar porque não quer que esse tipo de crime fique impune.

"A gente escutar, falar do racismo é comum. Agora você sofrer o racismo é pior ainda, sabe? No século que a gente vive hoje, sofrer racismo é surreal. Ainda mais no local onde eu estava, onde eu moro, onde eu resido. Eu achei inaceitável. Não vai passar impune isso, nem que eu passe dois, três dias correndo atrás dos meus direitos, mas não vai passar impune isso", declarou o publicitário.

VEJA O VÍDEO DA MATÉRIA => AQUI

PUBLICIDADE:

Fonte: G1-MA
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®