Domingo, 24 de Outubro de 2021
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

29°

24° 35°

Teresina - PI

Últimas notícias
R10 LGBT
R10 LGBT
Últimas e principais notícias sobre LGBT.
Entretenimento Drag queen
05/02/2021 12h09
Por: Francine Dutra

Lutador de boxe diz que 'quebrar unha postiça é pior que levar um soco'

Lutador e drag queen, Diego Garijo, de 41 anos, declarou que quebrar uma unha postiça é pior do que levar um soco no rosto.  

"Depilação com cera é ruim, mas sabe o que é pior? Quebrar uma unha postiça. É um pesadelo. Já os socos no rosto não me incomodam. Eu aguento socos. Eu não sou um lutador muito técnico, mas eu realmente vou com tudo na luta. Eu simplesmente continuo, não importa quantas vezes eu seja atingido. Por causa disso, muitas vezes vou derrotar lutadores que são melhores do que eu", disse o atleta, que é mexicano, à Vice.

Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

Garijo iniciou sua carreira na luta em meados de 2006, nos Estados Unidos. Em sua carreira, ele conseguiu sete vitórias no ringue antes de sofrer um descolamento de retina, em 2012. Após a lesão, ele apenas retornou em 2018.

Continua depois da publicidade

Além de sua carreira no MMA, há cerca de um ano, o atleta começou a dedicar-se à arte drag. De nome Lola Pistola, a personagem de Garijo, como ele mesmo define, "é uma extensão de sua personalidade".

"Há uma foto minha com seis anos de idade na qual estou usando o sutiã e a calcinha da minha mãe. Ela me criou sozinha e eu tinha alguns primos gays, então não fui exposto a muitos estereótipos masculinos tradicionais. Talvez seja por isso que posso ser muito feminino. Acho que as pessoas se perguntam se eu sou gay, mas não entendem que feminilidade e preferência sexual são duas coisas completamente diferentes", disse ele, que é heterossexual. 

Questionado pela publicação de onde veio a ideia de fazer drag, além de sua criação pouco convencional, ele explicou que foi incentivado em um curso de inteligência emocional.

"Quando a palavra 'drag' passou pela minha cabeça, eu soube na hora: é isso! Eu me joguei direto. Tive aulas de dança, fiz furos nas orelhas e depilei o corpo. Aprendi a andar de salto alto e me ajudaram com as roupas". 

Garijo declarou ainda que a comunidade drag, assim como a dos lutadores, o recebeu de braços abertos. "Talvez eles também estejam escondendo um elemento de si mesmos que gostariam de revelar mais".

Fonte: Queer/IG
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp