Quarta, 17 de outubro de 2018
(86) 99915-1055
Economia - Levantamento

Postada em 12/04/2018 ás 09h31 - atualizada em 12/04/2018 ás 10h06

Publicada por: Redação

Crise e desemprego fazem renda do brasileiro cair, diz IBGE
Em média, a população perdeu R$ 12 no rendimento mensal real.
Crise e desemprego fazem renda do brasileiro cair, diz IBGE

Foto: Reprodução

A crise no mercado de trabalho fez a renda do brasileiro encolher em 2017. Em média, a população perdeu R$ 12 no rendimento mensal real na comparação com o ano anterior - passou de R$ 2.124 para R$ 2.112, o que representa uma queda de 0,56%. Já o rendimento proveniente do trabalho caiu R$ 31 no mesmo período - de R$ 2.268 de R$ 2.237, um redução de 1,36%. É o que aponta um levantamento divulgado nessa quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Com base na Pesquisa Mensal por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o instituto constatou que 60,2% da população – o equivalente a 124,6 milhões de pessoas – tinham algum tipo de rendimento em 2017.

Dentre a população que tinha rendimento, 41,9% o recebia do trabalho e 24,1% de outras fontes - estas se dividem em aposentadoria ou pensão (14,1%); aluguel e arrendamento (1,9%); pensão alimentícia ou doação (2,4%) e outros rendimentos (7,5%), categoria que inclui, por exemplo, seguro-desemprego, programas sociais como o Bolsa Família e poupança, informou o G1.

1% mais rico ganha 36 vezes mais que os 50% mais pobres

Ao analisar a diferença na concentração de renda, o IBGE apontou as pessoas que faziam parte do 1% da população com os maiores rendimentos (R$ 27.213 mensais em média) ganhavam, em média, 36,1 vezes mais que a metade da população que detinha os menores rendimentos (R$ 754). No ano anterior, este grupo de 1% com maiores rendimentos ganhavam 36,3 vezes a média dos 50% com rendimentos mais baixos.

Proporção de domicílios com Bolsa Família cai

A pesquisa do IBGE mostrou, ainda, que caiu o percentual de domicílios que contavam com o Programa Bolsa Família na composição do rendimento familiar. Em 2016 este percentual era de 14,3% e caiu para 13,7% em 2017.

O maior percentual de domicílios que contavam com o benefício foi observado no Nordeste. Lá, 28,4% das famílias com algum tipo de rendimento contavam com o Bolsa Família. Em seguida, aparece a região Norte, com 25,8% dos domicílios com repasse da verba federal. No Centro-Oeste, este percentual foi de 8,5%, no Sudeste de 6,7% e no Sul de 4,6%.

O coordenador da pesquisa enfatizou que o rendimento médio domiciliar per captita nos domicílios que contavam com o Bolsa Família era de R$ 324, enquanto naqueles que não tinham o benefício era de R$ 1.489.

 

 

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Beneditinos Por Cascatinha Pessoa

Secretaria de Saúde realiza atendimento na U.B.S da Barrinha

Olho D'água do Piauí Por Jô Mendes

Serviço de fisioterapia passa a ser oferecido na UBS de Olho D'água

Lagoinha do Piauí Por Mysael Santana

Prefeitura de Lagoinha do Piauí realiza evento em alusão ao 'Outubro Rosa

Valença Por Thiago Maciel

Jogo do Poder destaca nome de Dr. Marcos Vinícius como candidato a Prefeito

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Bandidos roubam três motocicletas em uma única tarde em São João do Arraial

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium