Domingo, 13 de Junho de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

24°

23° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
Curiosidades
Curiosidades
Coluna de notícias curiosas.
Geral Geral
05/05/2021 17h02 Atualizada há 1 mês
Por: Bruna Sampaio

Mulher engole espinha de peixe que fica incrustada no pescoço

Foto: reprodução
Foto: reprodução

Um estudo de caso publicado no mês passado (15) no The Journal of Emergency Medicine apresentou a ocorrência de uma mulher na Malásia que engoliu uma espinha de peixe que, após ficar entalada no músculo do pescoço, causou um caso incomum de enfisema subcutâneo, condição clínica em que o ar entra nos tecidos debaixo da pele.

Enquanto comia arenque-lobo grelhado, a mulher de 54 anos sentiu “uma dor terrível na garganta”, segundo o estudo. Ela tentou provocar o vômito para expelir o objeto, mas a situação ficou ainda pior. Com dificuldade para respirar, ela percebeu que seu pescoço estava inchado.

O diagnóstico de enfisema subcutâneo

O engasgo por espinha de peixe é uma causa muito comum para encaminhamento às emergências de hospitais e, no caso dessa mulher, não foi diferente: durante o exame inicial, os médicos notaram um som crepitante quando apalparam o pescoço dela. Essa crepitação são pequenos estalos que podem acontecer quando bolhas de ara penetram na camada de tecido sob a pele.

Continua depois da publicidade

Por ser um sintoma de enfisema subcutâneo, que pode indicar perfuração de alguma parte do sistema respiratório, os médicos tentaram localizar a espinha, mas não conseguiram vê-la, nem através do raio-X. Finalmente, uma tomografia revelou um osso de 5,1 centímetros introduzido no músculo esternocleidomastóideo, o mais importante do pescoço.

De acordo com os autores do estudo, que são médicos do hospital Selayang, na Malásia, essas espinhas de peixe geralmente ficam presas na parte superior da garganta e são removidas com facilidade.

A retirada da espinha de peixe

A pesquisa concluiu que ocorrências de espinha de peixe profundamente impactadas na garganta, apesar de incomuns, podem resultar em riscos potenciais de eventos que podem levar a óbito. Esse tipo de complicação, com abscesso profundo no pescoço, obstrução das vias aéreas e lesões nos vasos, é influenciada pelo tipo de osso ingerido e pelo tempo decorrido entre o início dos sintomas e o tratamento.

Para conseguir remover a espinha de peixe, a paciente foi submetida a uma cirurgia e recebeu um tratamento com antibióticos para evitar infecção. Depois de cinco dias de internação, todos os seus sintomas, inclusive os característicos de enfisema subcutâneo, desapareceram totalmente, e ela teve alta.

Fonte: Mega Curioso
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp