Quarta, 22 de Setembro de 2021
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

36°

23° 38°

Teresina - PI

Últimas notícias
Radar Político
Radar Político
Últimas notícias, entrevistas, reportagens e análises sobre o que acontece na política.
Polícia Em entrevista
18/05/2021 08h30
Por: Francine Dutra

Dias diz que Brasil perdeu mais contratos de vacinas além da Pfizer

Em entrevista nessa segunda-feira (17) ao Canal Livre, da BandTV, o governador Wellington Dias (PT) disse que o Brasil perdeu ainda mais contratos de compra de vacinas do que já foi relatado. Segundo o presidente do Consócio Nordeste, além da oportunidade de compra de vacinas da Pfizer em 2020, outros laboratórios também enviaram propostas para a compra de vacinas Janssen, Sputnik V e Sinopharm.

Após as polêmicas envolvendo as propostas enviadas pela Pfizer, Dias pontuou que o Fórum dos Governadores cobrava continuamente reuniões com o Ministério da Saúde.  “O primeiro contato com a Pfizer quem fez foi o governador Camilo, do Ceará, que me ligou e disse que o pessoal [da Pfizer] tinha abertura para um entendimento. Procuramos o ex-ministro e houve uma reunião do Pazuello no Palácio com os governadores, em que ele chegou a colocar que estava em andamento esse contrato de 70 milhões de doses e como seriam a entrega das mesmas”. 

Foto: Internet
Foto: Internet

De acordo com o líder piauiense a não formalização dos contratos fez com que o país fracassasse no Plano de Imunização. "O Brasil tem um plano estratégico de vacinação. É o plano de 20 de outubro do ano passado, lançado no Palácio do Planalto, que confirma que o País faria a opção por mais vacinas, e variadas vacinas, para alcançar as metas de vacinação. Este mesmo plano foi dividido em quatro fases, sendo a primeira a do grupo de cerca de 53 milhões de brasileiros, que inclui maiores de 60 anos, indígenas e pessoas com comorbidades. Qual era a lógica, então? O País chegar em abril deste ano com essa primeira fase totalmente vacinada. Fracassamos. E fracassamos porque o Brasil perdeu as oportunidades. O contrato com a Pfizer, a Janssen, a Sputnik, mais contrato com a Sinovac, com a Sinopharm. Tudo isso em agosto, setembro, outubro e até novembro de 2020 ainda era possível", destacou. 

Continua depois da publicidade
Fonte: Com informações do Canal Livre
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp