Segunda, 19 de novembro de 2018
(86) 99915-1055
Desk Propaganda
[email protected]
(86) 98104-5810
Cabeceiras do Piauí

Cabeceiras do Piauí

Francisco Rocha Correspondente do município.

[email protected]

(86) 98104-5810

Cidades - Prisão

Postada em 24/04/2018 ás 11h32 - atualizada em 24/04/2018 ás 11h59

Publicada por: Francisco Rocha

Negada liberdade a envolvido na morte do advogado Ozires Neto
A defesa ajuizou o pedido alegando ausência dos motivos autorizadores da prisão preventiva do acusado
Negada liberdade a envolvido na morte do advogado Ozires Neto

José Rodrigues Oliveira Neto, acusado de participação no assassinato do advogado Ozires Neto

A juíza Valdênia Moura Marques de Sá, da 1ª Vara Criminal de Teresina, negou pedido derevogação de prisão preventiva formulado em favor do José Rodrigues Oliveira Neto, acusado de participar da morte do advogado Ozires de Castro Machado Neto, em setembro de 2017. A decisão foi dada no dia 17 de abril deste ano.A defesa ajuizou o pedido alegando ausência dos motivos autorizadores da prisão preventiva do acusado, bem como excesso de prazo para a formação da culpa. Disse ainda que se trata de réu trabalhador, tecnicamente primário, que possui residência fixa e que comprometeu-se a comparecer a todos os atos da instrução do processo.

O Ministério Público do Estado do Piauí opinou pela manutenção da prisão cautelar por garantia da ordem pública, da instrução criminal e da aplicação da lei penal.Na decisão, a magistrada destacou que o acusado teve sua prisão preventiva decretada em razão da necessidade de conservação da ordem pública, considerando a potencialidade lesiva, a periculosidade social e a real possibilidade de reiteração delitiva do mesmo.“No tocante às alegações do acusado de ser tecnicamente primário, possuir residência fixa e ocupação lícita, ressalte-se que as condições pessoais favoráveis, por si só, não viabilizam a revogação da prisão preventiva, quando presentes os motivos autorizadores desta”, afirmou a juíza.Por fim, magistrada decidiu que “desta forma, existentes os requisitos da prisão preventiva, necessário e útil é a sua manutenção, como forma de se garantir a ordem pública, sendo inadequada, neste momento, sua substituição pelas medidas cautelares previstas no art. 319, do CPP, pois a liberdade provisória deve ser concedida a quem demonstra apreço pela mesma e não para quem dela utiliza para pôr em risco a coletividade”.

RELEMBRE O CASO

Ozires de Castro Machado Neto, 28 anos, estava chegando em sua casa no bairro Saci, zona sul de Teresina, por volta das 21h do dia 11 de setembro de 2017, quando foi alvejado com um tiro na cabeça. Câmeras de segurança registraram a ação, que durou menos de um minuto. A vítima estava parada com o veículo ainda ligado, quando chegou um indivíduo a pé. Nas imagens é possível ver que o rapaz ainda tentou fugir, mas o carro parou em cima de uma calçada.O criminoso volta a se aproximar do veículo e atira contra Ozires. O advogado morreu no dia seguinte, no Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

Ozires Neto era filho do professor Paulo de Tarso Veloso Machado, que reside em Cabeceiras do Piauí.  À época, o crime causou grande comoção na cidade, já que a vítima era natural do município e frequentemente vinha rever parentes e amigos.

Fonte: GP1.com

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Revista ADV
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium