Terça, 15 de Junho de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

33°

23° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
Blog do Lucão
Blog do Lucão Fique por dentro de tudo que acontece na região.
Cidades Cidades
08/06/2021 10h02 Atualizada há 1 semana
Por: Blog do Lucão

Poeta timonense é convocado para o VI Festival de Poesia de Lisboa

Poeta timonense é convocado para o VI Festival de Poesia de Lisboa

Nesta terça-feira (8) um dos primeiros compromissos da prefeita Dinair Veloso foi um encontro com o poeta timonense Gustavo Augusto na sede da Prefeitura de Timon.

A poesia do adolescente timonense Gustavo Augusto chegou a Portugal. Com apenas 17 anos, o poeta de Timon foi convocado para participar o VI Festival de Poesia de Lisboa, que será realizado por meio virtual em setembro deste ano.

À prefeita, Gustavo falou sobre sua trajetória de vida. “Gustavo é um orgulho para nós, um poeta que leva o nome da nossa cidade para concursos de reconhecimento internacional. Sem dúvidas, ele é um exemplo para a nova geração de escritores. Conversamos muito sobre a importância da poesia, arte e cultura na vida dos timonenses e o quanto nossa cidade possui grandes talentos”, disse a chefe do Executivo Municipal.

Como o tema do Festival de Lisboa nesta edição, é Terra- Uma Poética de Nós, Gustavo Augusto abordou a desigualdade social e a necessidade de uma reorganização fundiária na poesia inscrita para o evento, que é reconhecido internacionalmente. Os versos dizem “Ainda acho injusto o pobre estar sem terra/ O filho corre da tela para não poder ver/ O rico debaixo de um grande teto tendo onde se esconder/Enquanto o pobre, embaixo de um papelão/ Procurando apenas uma mão para lhe socorrer.”

Gustavo conta que desde pequeno se interessava pela leitura e “já rabiscava poesias”. “A poesia sempre foi minha vida e me ajudou a me expressar e de ressignificar minhas emoções. Sempre gostei de ler, de escrever. Então ser convocado para o Festival de Lisboa é a concretização de um sonho. Eu aqui, de Timon, ver minha poesia chegando em Lisboa”, comemora Gustavo Augusto.

O Festival de Poesia de Lisboa terá palestras, oficinas, encontros com poetas, entre eles Mia Couto. A premiação dos classificados será a divulgação no LIVRO ANTOLOGIA TERRA – UMA POÉTICA DE NÓS. O primeiro colocado também terá um livro lançado gratuitamente.

GUSTAVO ENTRE OS 40 MELHORES

Apesar da pouca idade, Gustavo já tem uma lista de conquistas literárias. No ano passado ele foi classificado do Festival de Poesia da Academia Rio Pombense, da cidade de Rio Pomba (MG) e sua poesia foi selecionada entre as 40 melhores do país em 2020. Quase 400 poetas participaram deste concurso.

“Fiquei muito feliz, inclusive, recebi uma carta do Secretário Estadual de Educação, Felipe Camarão, em que ele expõe a felicidade dele e do governador Flávio Dino em minha classificação”, conta o poeta.

AMOR E TIMON

Além de falar sobre temas sociais, a poesia de Gustavo Augusto aborda predominantemente o amor em todas as forma possíveis.

Entre suas 315 poesias, Gustavo escolheu falar do amor que sente por sua cidade natal, Timon.

“Timon para mim é meu alicerce, minha raiz, a cidade que me orgulho de morar. Amo Timon pois sei a grandeza não só da cidade, mas das pessoas que nela habitam. Timon para mim é mais que uma cidade, um virtude que me orgulho de tê-la em registro, e acima de tudo de viver”, ressalta.

A TIMON QUE AMO

Na cidade que hoje habito

Tenho orgulho de morar

É a terra sempre amei

E que sempre hei de amar

A cidade de TIMON

Que no meu coração está.

Sinônimos e virtudes

A elas podemos adicionar

São inúmeros os conceitos

Que podemos destacar

Acima de tudo, Timon é amor

E nunca de ser vai deixar.

TIMON que eu amo

TIMON que eu quero bem

A cidade que moro desde sempre

A cidade que me faz bem.

(GUSTAVO AUGUSTO)

ENFIM, O AMOR.

Enfim, o amor!

Que sentimentos podem resumir?

O que tudo pode ver

O que tudo pode sentir

Somente o amor

Ele acaba com a dor

E incentiva a persistir.

Há muitas formas de amar

Uma das formas

Nem se chama amor

Chama-se, CUIDAR

Pois, quando se tem amor

Tem no peito o ardor

De sempre mais amar.

Ame! Nunca pare de amar

Somente trate com amor

Quando, com ódio, forem lhe tratar!

(GUSTAVO AUGUSTO)

PUBLICIDADE:

Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp