Domingo, 20 de janeiro de 2019
(86) 99915-1055
Desk Propaganda
Geral - Trabalho

Postada em 25/04/2018 ás 09h23

Publicada por: Redação

Contratações por salário menor fazem cair arrecadação da Previdência
Segundo Malaquias, a estimativa está mantida e só será revisada no mês de maio.
Contratações por salário menor fazem cair arrecadação da Previdência

Foto: Divulgação

A última queda da arrecadação da Previdência em termos reais tinha sido em abril do ano passado. De acordo com o chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias, a evolução do mercado de trabalho nos últimos meses fez a arrecadação da Previdência parar de crescer ao descontar a inflação.

“A economia está contratando cada vez mais trabalhadores, mas eles estão voltando ao mercado com um patamar salarial um pouco menor [do] que no ano passado. Apesar de haver crescimento no número de empregos, a massa salarial está crescendo menos”, disse Malaquias. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, em fevereiro, mês que serviu de fato gerador da arrecadação de março, o país contratou 61.188 trabalhadores formais a mais do que demitiu. Segundo o Economia ao Minuto, a massa salarial cresceu 3,68% em valores nominais em relação a fevereiro do ano passado. No entanto, com a atualização pelo IPCA, houve queda de 0,06% na mesma comparação.

Lucro das empresas

A arrecadação do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) – tributos ligados ao lucro das empresas – caiu 3,78% em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado, em valores corrigidos pelo IPCA, depois de crescer em janeiro e fevereiro. De acordo com Malaquias, a queda se deve ao fato de que muitas empresas de grande porte anteciparam o pagamento dos dois tributos para os dois primeiros meses do ano, impactando o resultado de março. “O que importa é o resultado do trimestre, em que a arrecadação [de IRPJ e CSLL] acumula crescimento de 2,18% acima da inação. A legislação dá a faculdade para as grandes empresas pagarem em qualquer um dos três primeiros meses do ano. A data de pagamento é um comportamento que varia de empresa para empresa. Não dá para estabelecer um padrão”, disse. O auditor da Receita explicou que ocorreram compensações (devoluções de tributos pagos a mais) e o abatimento de prejuízos de anos anteriores por grandes empresas, que também puxaram para baixo o pagamento de IPRJ e CSLL em março.

Estimativa

Nos três primeiros meses do ano, a arrecadação federal acumula crescimento real (acima do IPCA) de 8,42%. Sem as receitas extras do ano passado, como o parcelamento especial conhecido como novo Res, a Receita estima que o crescimento diminuirá nos próximos meses até encerrar o ano em torno de 4%. Segundo Malaquias, a estimativa está mantida e só será revisada no mês de maio, quando o Ministério do Planejamento divulgar a nova programação do Orçamento. Com informações da Agência Brasil.

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Boa Hora Por Idalice Carvalho

Rondon realiza projetos de intervenção social em Boa-Hora e Boqueirão

Altos-PI Por Jair Fran

Pedra de Fogo goleia Porto e garante vaga para jogar em Esperantina

Paulistana Por R10 municípios

Piloto de moto irá representar paulistana no Piocerá 2019

José de Freitas-PI Por Mikelson Deivid

Presidente da Câmara de José de Freitas convocou sessão extraordinária

Lagoinha do Piauí Por Mysael Santana

Fluminense se consagra campeão do campeonato dos festejos de são sebastião

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium