Sexta, 15 de Outubro de 2021
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

29°

25° 38°

Teresina - PI

Últimas notícias
Política Depoimento
25/04/2018 14h11 Atualizada há 3 anos
Por: Bruna Dias

Joesley diz à PF que entregou mala de R$ 500 mil a Ciro Nogueira

O empresário Joesley Batista, do grupo J&F, prestou no último dia 6 novo depoimento à Polícia Federal, em Brasília, sobre a suposta entrega de uma mala com R$ 500 mil ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do Progressistas.

Segundo G1, o depoimento traz detalhes sobre o local e o repasse do dinheiro, aprofundando o relato feito pelo empresário em depoimento da delação, no ano passado.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Em nota, o advogado de Ciro Nogueira disse que ele nunca recebeu dinheiro de Joesley Batista e que a gravação da conversa vai comprovar isso. Disse, ainda, que Ciro Nogueira mantinha com Joesley uma relação "republicana" de um senador com um grande empresário.

Em depoimento, Joesley contou que, em 17 de março do ano passado, houve uma reunião entre ele, o ex-diretor do grupo J&F Ricardo Saud e o senador Ciro Nogueira por volta das 19h.

O encontro teria sido gravado "para registrar os diálogos e tratativas de entrega de R$ 500 mil para Ciro Nogueira, o que de fato ocorreu".

Segundo Joesley, a mala foi entregue por Saud para o senador Ciro Nogueira na garagem da casa do empresário, em São Paulo".

Em depoimento anterior, Joesley já havia relatado a entrega dessa quantia em uma mala para Ciro Nogueira, como pagamento de propina – sem dar os detalhes que acrescentou no novo depoimento.

Segundo o relato do empresário, ele repetiu o método usado com o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer, e que se tornou a cena mais conhecida da delação: uma mala de R$ 500 mil , também entregue por Ricardo Saud em São Paulo.

Lava Jato

Nesta terça-feira (24), o senador Ciro Nogueira foi alvo de uma nova investigação da Lava Jato. A Polícia Federal apreendeu na residência do parlamentar cerca de R$ 200 mil em dinheiro.

Ele é suspeito de comprar o silêncio de uma testemunha, o ex-assessor do senador José Expedito Rodrigues Almeida.

Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp