Sábado, 18 de Setembro de 2021
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

36°

22° 37°

Teresina - PI

Últimas notícias
Brasil Brasil
04/08/2021 16h42
Por: Cristina

“Eu sou um filho horrível”: Menino morto pela mãe era obrigado a escrever frases

A Polícia Civil apreendeu, na noite de terça-feira (3), cadernos com frases ofensivas, que segundo a investigação eram copiadas por Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos. A mãe da criança, Yasmin Rodrigues, de 26 anos, está presa após confessar ter matado a criança.

Segundo o delegado Antonio Carlos Ractz, Miguel era obrigado a copiar frases como "eu sou um idiota", "não mereço a mamãe que eu tenho", "eu sou ladrão, "eu sou ruim" e "eu sou um filho horrível".

Caderno com frases escritas pelo Miguel, segundo a Polícia Civil, foi apreendido — Foto: Divulgação/Polícia Civil
Caderno com frases escritas pelo Miguel, segundo a Polícia Civil, foi apreendido — Foto: Divulgação/Polícia Civil

A polícia fez buscas em dois apartamentos onde Miguel morou com a mãe, no Balneário de Santa Terezinha e outro no centro de Imbé. Além dos cadernos, a polícia também localizou uma corrente, que seria utilizada para manter a criança presa.

Continua depois da publicidade

Conversas divulgadas pela polícia mostram a mãe e a madrasta de Miguel, Bruna Nathieli Porto da Rosa, conversando sobre a compra da corrente. Bruna também está presa. Ela e Yasmin foram transferidas do Presídio de Torres para a Penitenciária Feminina de Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

O G1 tenta localizar a defesa de Yasmin. A advogada que defende Bruna, Josiane Tristão Silvano, afirma que analisa o inquérito e as provas produzidas, e que irá emitir posicionamento assim que conversar com a investigada.

A perícia criminal também esteve nos apartamentos e coletou material genético, informou o delegado.

Segundo o relato feito à polícia, a mãe dopou a criança usando medicamentos, colocou o corpo dentro de uma mala e jogou no Rio Tramandaí, há uma semana.

Na quinta-feira (29), foi à Polícia para relatar o suposto desaparecimento da criança. Ao apresentar contradições, foi questionada pela polícia e confessou o crime. Segundo a Polícia Civil, a criança sofria tortura física e psicológica.

Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp