Domingo, 23 de Janeiro de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

32°

24° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
FOCO NA POLÍTICA - Direto de Brasília
FOCO NA POLÍTICA - Direto de Brasília
Jornalista, comunicador, árbitro judicial, consultor diplomático, cônsul honorário da Bielorrússia, editor da Revista VOX e Publisher da BrazilianNEWS.
Política Política
13/08/2021 18h36 Atualizada há 5 meses
Por: Jornalista Milton Atanazio

SEXTA-FEIRA, 13 de agosto – RESUMO DO DIA

 

Boa noite. Aqui estão as notícias para você terminar o dia bem-informado, destacados pelo jornalista Milton Atanazio, direto de Brasília.

N  O  T  Í  C  I  A  S 


DESTAQUE – AGÊNCIA BRASIL

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Esta edição contém informações e fotos da CNN, Agência Senado , Agência Câmara, Agência Brasil

Continua depois da publicidade

 Vídeos, fotos e links (EDIÇÃO COMPLETA) no site  www.foconapolitica.com.br 

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Ex-deputado Roberto Jefferson já está no presídio em Benfica

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

O político foi preso por decisão do ministro Alexandre Moraes

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

O ex-deputado federal e presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, já está preso no Presídio José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. O político chegou ao local em um carro da Polícia Federal, às 15h48. Da janela aberta do veículo foi possível ver que ele estava no banco de trás e usava uma máscara com uma bandeira estilizada do Brasil. 

Desde às 12h40, Jefferson estava na Superintendência da Polícia Federal, no centro do Rio de Janeiro, para onde foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), onde chegou às 12h16 para fazer o exame de corpo de delito. Roberto Jefferson estava vestindo uma camisa verde, colete preto e calça jeans.

O presídio de Benfica é o local para onde os presos são levados para uma triagem e entrada no sistema prisional do estado do Rio de Janeiro. É possível que de lá o presidente nacional do PTB seja transferido para um presídio do Complexo de Bangu, na zona oeste da capital.

Prisão

Por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, Roberto Jefferson foi preso, hoje (13), na casa dele, no município Comendador Levy Gasparian, na região serrana do Rio de Janeiro. 

Conforme o despacho do ministro, a prisão preventiva foi autorizada no âmbito do inquérito da Polícia Federal que investiga a movimentação de “organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político com a nítida finalidade de atentar contra a democracia e o estado de direito”.

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
6cf63738-00a5-4b75-b763-5ad2a41b7709.jpg
(61) 99650-2555 whatsapp – Envie nos uma mensagem e receba Clipping de Notícias GRATUÍTO E DIÁRIO em duas edições

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

DESTAQUE – AGÊNCIA CÂMARA

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Câmara aprova projeto que permite criação de federações partidárias

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Proposta já foi aprovada pelo Senado e vai a sanção presidencial

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (12) o Projeto de Lei 2522/15, do Senado, que permite aos partidos políticos se unirem em uma federação a fim de atuarem como uma só legenda nas eleições e na legislatura. A matéria será enviada à sanção presidencial.

Segundo o projeto, perderá o mandato o detentor de cargo eletivo que se desfiliar, sem justa causa, de partido que integra uma federação.

Atualmente, a Lei 9.096/95 considera como justa causa o desligamento feito por mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; grave discriminação política pessoal; e durante o período de 30 dias que antecede o prazo de filiação exigido em lei para concorrer à eleição (seis meses antes do pleito).

Os partidos participantes devem permanecer na federação por um mínimo de quatro anos. Aquele que descumprir a regra não poderá utilizar o Fundo Partidário até o fim do prazo, além de não poder participar de coligações nas duas eleições seguintes.

Como o projeto é de 2015, previa ainda a penalidade de não utilização do tempo de propaganda partidária no semestre seguinte, mas a Lei 13.487/17 revogou esse tipo de propaganda, restando apenas a eleitoral.

Para a federação continuar em funcionamento até a eleição seguinte, devem permanecer nela dois ou mais partidos.

Serão aplicadas à federação de partidos todas as normas sobre as atividades dos partidos políticos nas eleições, como:

  • escolha e registro de candidatos;
  • arrecadação e aplicação de recursos em campanhas eleitorais;
  • propaganda eleitoral; e
  • prestação de contas e convocação de suplentes.

Também serão aplicadas à federação de partidos todas as normas quanto ao funcionamento parlamentar e à fidelidade partidária. Entretanto, serão asseguradas a identidade e a autonomia dos partidos integrantes.

“Não tenho dúvida de que a federação vai fortalecer as coligações proporcionais aprovadas por esta Casa. Estamos dando a oportunidade para os partidos se unirem com seu conteúdo programático e com os recursos do Fundo Partidário a fim de fortalecer as instituições partidárias”, afirmou o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), que relatou a matéria e recomendou a aprovação do texto original com emendas de redação.

Convenções
Os partidos terão até o prazo limite de realização das convenções partidárias para formar a federação, que deverá ser registrada perante o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por meio da apresentação de cópia da resolução tomada pela maioria absoluta dos votos dos órgãos de deliberação nacional de cada um dos partidos integrantes.

Terá de ser apresentada ainda cópia do programa e do estatuto comuns da federação e a ata de eleição de seu órgão de direção nacional. O estatuto definirá as regras para compor a lista da federação para as eleições proporcionais.

Só poderão fazer parte de uma federação os partidos com registro definitivo no TSE, e ela terá abrangência nacional.

Vídeos, fotos e links (EDIÇÃO COMPLETA) no site  www.foconapolitica.com.br

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
1dc609c6-f600-485b-99e1-a604255a3230.jpg
https://abracambrasil.org.br/component/smarteventos/evento/37

 

DESTAQUE – CNN

Vídeos, fotos e links (EDIÇÃO COMPLETA) no site  www.foconapolitica.com.br

Novo inquérito contra Bolsonaro

O STF abriu um novo inquérito contra Jair Bolsonaro pela divulgação, nas redes sociais, de um inquérito sigiloso do tribunal eleitoral. A decisão atende a um pedido feito pelo TSE na segunda-feira (9). A notícia-crime endereçada ao ministro Alexandre de Moraes – que também aceitou, no dia 4 de agosto, o pedido de investigação contra o presidente por causa da live em que ele fez acusações sobre a confiabilidade das urnas eletrônicas – foi assinada por todos os ministros do TSE. Também passam a ser investigados, sobre o vazamento, o deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) e o delegado da Polícia Federal Victor Neves Feitosa.

Apuração

O corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Felipe Salomão, ouviu na quinta-feira o ministro da Justiça, Anderson Torres, para apurar os ataques do presidente Jair Boslonaro (sem partido) às urnas eletrônicas. Além de Torres, Salomão também ouviu o coronel Eduardo Gomes da Silva, que participou com Bolsonaro da live promovida pelo presidente para apresentar denúncias, sem provas, de fraudes no sistema eletrônico de votação.

CPI da Pandemia

Após a tumultuada sessão do depoimento do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), a cúpula da CPI se reuniu no gabinete do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), onde tomou duas decisões: a CPI deve acabar até a primeira quinzena de setembro e, para que isso aconteça, é preciso ouvir o ministro da Defesa, Walter Braga Netto. A avaliação é a de que já há elementos suficientes para a elaboração do relatório final. O primeiro capítulo, inclusive, com cerca de 400 páginas, já está pronto e trata de uma forma geral sobre os supostos crimes sanitários do governo na pandemia.

Média móvel

O Brasil registrou 1.148 mortes e 39.982 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas. Os dados foram atualizados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) na quinta-feira. A média móvel de novos casos ficou em 31.211, apontando o menor índice desde 24 de novembro de 2020, quando o país registrou 29.564 em média móvel de casos. A média revela o índice de contaminações por Covid-19 referentes aos últimos sete dias. Com a atualização dos números, o país já soma 566.896 mortes e 20.285.067 de casos do novo coronavírus registrados desde o início da pandemia, em março de 2020.

Sistema financeiro aberto

Começa nesta sexta-feira (13) a segunda fase do Open Banking. Prevista inicialmente para 15 de julho, a nova fase, segundo o Banco Central, tem como principal premissa o aumento da segurança e da proteção dos dados dos clientes. O sistema financeiro aberto foca na liberação do compartilhamento padronizado de dados e serviços por instituições financeiras reguladas. No Open Banking, o cliente pode autorizar o compartilhamento de seus dados com outras instituições o que, para o BC, “deve aumentar a competitividade entre os bancos e melhorar a oferta de produtos e serviços”.

docan_novo.JPG
SAIBA MAIS…https://www.instagram.com/p/CNDAhJyjCBs/?igshid=15ibrunwhlkf0

 

DESTAQUE – AGÊNCIA SENADO

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Aprovado projeto que aumenta limite de receita para microempreendedor

 

senado_MEI.jpg

Com 71 votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção, o Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (12) o Projeto de Lei Complementar (PLP) 108/2021, que aumenta para R$ 130 mil a receita bruta anual permitida para enquadramento como Microempreendedor Individual (MEI). A proposta, que segue para a análise da Câmara dos Deputados, ainda autoriza o MEI a contratar até dois empregados.

De autoria do senador Jayme Campos (DEM-MT), o projeto teve relatório favorável do senador Marcos Rogério (DEM-RO), que incluiu apenas uma emenda.

Hoje a Lei Complementar 123, de 2006 — Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte — enquadra como MEI o empresário individual que tenha auferido receita bruta, no ano-calendário anterior, de até R$ 81 mil, que seja optante pelo Simples Nacional e observe as demais condições legais. Entre as quais, a de que o empreendedor só pode empregar uma única pessoa que receba exclusivamente um salário-mínimo ou o piso salarial da categoria profissional.

O PL aumenta para R$ 130 mil o limite de faturamento. Em caso de empresa recém-aberta, o limite será de R$ 10.833,33 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário. O projeto ainda amplia o limite de contratação para até dois empregados dentro das condições da legislação anterior.

Para os casos de afastamento legal de um ou de ambos empregados do MEI, será permitida a contratação de empregados em número equivalente aos que foram afastados, inclusive por prazo determinado, até que cessem as condições do afastamento, na forma estabelecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

A redução de receita decorrente da conversão em lei deste projeto foi estimada pela Consultoria de Orçamento do Senado em R$ 2,32 bilhões para o ano de 2022, de R$ 2,48 bilhões para o ano de 2023 e de R$ 2,64 bilhões para o ano de 2024.

Redução da informalidade

Na justificação, Jayme Campos destaca os benefícios sociais e econômicos da criação da figura do MEI, entre os quais o estímulo à atividade econômica e o incentivo à redução da informalidade.

Em seu relatório, Marcos Rogério lembra que a própria Constituição, nos artigos 170 e 179, prevê o tratamento favorecido para empresas de pequeno porte: “A importância da figura do Microempreendedor Individual para a economia, para a geração de empregos, para a redução do trabalho informal e para a garantia de trabalho e renda de inúmeras famílias é amplamente reconhecida”, sublinha.

O relator menciona dados do governo segundo os quais o número de MEIs cresceu 8,4% no ano de 2020. Ao final de 2020 existiam 11,2 milhões de MEIs ativos no Brasil, correspondendo a 56,7% do total de negócios em funcionamento. Para ele, “trata-se de medida capaz de contribuir para a redução da burocracia e reforçar os incentivos à regularização e expansão de pequenos negócios”.

Emendas

O relator rejeitou as sete emendas apresentadas pelos colegas à proposta, pois que considerar que levariam à redução de receitas tributárias sem apresentação de estimativa de impacto orçamentário-financeiro. Sobre a emenda oferecida pelo senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que previa a possibilidade de que corretores de imóveis possam ser enquadrados como MEIs, Marcos Rogério disse que a profissão já é tributada sob outra metodologia, nos termos do Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Outra emenda, do senador Paulo Rocha (PT-PA), propunha vetar o aumento de contratação de funcionários pelo MEI, mas o relator disse que a medida “não ajudaria a diminuir os riscos de fraudes trabalhistas envolvendo o mau uso do instituto”.

Jayme Campos defendeu o projeto de sua autoria como forma de simplificar os negócios e impulsionar a economia, beneficiando pessoas que estão passando momentos difíceis, na crise econômica causada pela pandemia de covid-19. Ele prevê a formação de uma “nova ordem econômica” no mundo em reação à pandemia de covid, diante da qual, salientou, o Brasil precisa buscar novas perspectivas de desenvolvimento.

— A retomada do crescimento econômico e da geração de mais e melhores empregos passa, sem dúvida nenhuma, pelo apoio aos pequenos negócios — definiu.

O senador Jorginho Mello (PL-SC), declarando-se “entusiasta” do apoio à pequena empresa, manifestou apoio ao projeto, mas previu que a renúncia fiscal poderá gerar algum problema para o governo. Já o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) defendeu emenda apresentada pela senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) e rejeitada pelo relator, que beneficiava as pessoas com deficiência. Ele cobrou reforma tributária capaz de simplificar os negócios.

O senador Paulo Rocha reiterou sua preocupação com a precarização das relações de trabalho, e o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) apontou incongruência na preocupação do governo com perda de receita.

— Quando o governo federal abdica [neste momento] de R$ 2,5 bilhões, a um tempo você tem milhões de brasileiros que não integrarão níveis de miséria e de pobreza que requerem ajuda de programas sociais — observou Veneziano.

MEI

Entre os benefícios de ser MEI, está a emissão de CNPJ, dispensa de alvará e licença para as atividades; possibilidade de vender para o governo; acesso a produtos e serviços bancários como crédito; baixo custo mensal de tributos (INSS, ISS e ICMS) em valores fixos; possibilidade de emissão de emitir nota fiscal; além de direitos e benefícios previdenciários (aposentadoria por idade, aposentadoria por invalidez, auxílio-doença, salário maternidade e pensão por morte para a família).

O imposto devido — o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional do MEI) — é um valor fixo atualizado apenas uma vez por ano, junto com o aumento do salário mínimo.

O MEI ainda recebe apoio técnico do Sebrae, com palestras, oficinas e cursos para alavancar os negócios, preparar a abertura da empresa e sobre os direitos e obrigações do MEI.

Com informações da Agência Senado

Vídeos, fotos e links (EDIÇÃO COMPLETA) no site  www.foconapolitica.com.br

 

© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
© Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil
ANÚNCIO_DOCAM_2_jpeg.JPG
www.docam.com.br
anúncio_foco_naz_politica.JPG
JORNALISMO COM RESPONSABILIDADE/Veículos
ABRACAM NOTÍCIAS –
Revista VOX – A cara e a voz do Legislativo!
www.abracambrasil.org.br
FOCO NA POLÍTICA –
Um panorama da política nacional direto de Brasília
www.foconapolitica.com.br
BRAZILIAN NEWS –
O seu site de notícias de Brasília para o Mundo
www.braziliannews.com.br
PORTAL R10 – O seu portal de notícias
www.portalr10.com/foco-na-politica-direto-de-brasilia
Direto com o jornalista MILTON ATANAZIO
[email protected] e
whatsapp 61 9 8191-9906
Vídeos, fotos e links (EDIÇÃO COMPLETA) no site  www.foconapolitica.com.br
Fonte: AGÊNCIA BRASILCÂMARA E SENADO
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp