Quarta, 19 de Janeiro de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

24°

22° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
Curiosidades
Curiosidades
Coluna de notícias curiosas.
Entretenimento Confira
15/01/2022 12h39
Por: Marina Sousa

Os maiores segredos sobre os vikings foram finalmente revelados

Os antigos navegadores nórdicos eram homens muito grandes, brutais e matavam tudo no seu caminho – era assim que os vikings eram. Bem, pelo menos, isso é o que a cultura popular nos faz acreditar. Contudo, a realidade é que os vikings não eram tão bárbaros como a maioria de nós pensa.

Eles eram um grupo de pessoas incrivelmente inteligentes, civilizadas e trabalhadoras. Sua cultura única e sua crença em um sistema que foi mal compreendido por outras culturas ajudaram a contribuir para a falsa reputação a que ainda hoje são associados.

Os maiores segredos sobre os vikings foram finalmente revelados

Os vikings eram super preocupados com a higiene pessoal

Se você imagina os vikings como um grupo de guerreiros de cabelos compridos e barbudos, você não está errado. No entanto, você estaria equivocado se pensa neles como pessoas sujas, malcheirosas e desleixadas. Na realidade, os vikings davam muita atenção à sua higiene pessoal. Embora possam ter vivido em condições difíceis e fossem conhecidos por terem barbas grandes e cabelos longos, eles se preocupavam com a asseio.

Continua depois da publicidade

Alguns objetos de arrumação dos vikings foram descobertas e eles eram utilizados tanto em homens, quanto em mulheres. Estes incluem coisas como pentes, lâminas de barbear e até buchas. Embora não tenham conseguido evitar a sujeira, é claro que fizeram um esforço maior do que o imaginado na cultura popular.

Eles não usavam capacetes com chifres

Um dos maiores equívocos sobre os vikings é que eles usavam capacetes com chifres durante suas batalhas. No entanto, isto foi comprovado como sendo completamente falso. Se os capacetes foram realmente usados durante as batalhas, não há nenhuma descoberta que comprove isso.

A ideia por trás dos capacetes com chifres veio da Era Vitoriana, onde a ideia era mudar a imagem dos vikings. Eles foram representados como capacetes que pareciam muito assustadores para fazer com que parecessem o mais selvagens e hediondos possível.

Os dias da semana foram nomeados em homenagem a eles

Desconhecidos por muitos de nós, os deuses nórdicos eram adorados pelos vikings e este fato faz parte de nossa vida diária. Os dias da semana são referências aos nomes de deuses específicos. O grande deus corvo Odin, também conhecido como Woden, na verdade é quarta-feira. Terça-feira e sexta-feira recebem o nome de Tyr (Tuesday) e Frigg (Friday, em inglês), o deus e deusa da guerra e do casamento.

O mais famoso é Thor, o deus do trovão e da força, que representa a quinta-feira (Thursday). Embora a cultura Viking possa estar perdida, é interessante que algo tão fundamental quanto os dias da era moderna estejam diretamente ligados ao seu sistema de crenças.

Os vikings não eram tão grandes quanto se pensava

Os vikings são comumente retratados como homens gigantes e musculosos com a capacidade de matar seus inimigos com uma única machadada, no entanto, isso é muito exagero. Eles não se pareciam com Rollo do canal History Channel ou Chris Hemsworth em Thor. Tinham entre um metro e meio e bem menos de dois metros de altura, e eram mais esbeltos do que fortes.

Seu tamanho foi explicado durante a temporada de verão, sendo excepcionalmente curto, aliado a poucos recursos e, portanto, pouca comida. Esta falta de bom tempo também foi o que levou os vikings a explorar para outros recursos. Assim como os capacetes com chifres, a descrição dos vikings é a de serem grandes para fazê-los parecer mais assustadores, e foram pintados como seres quase desumanos.

A vida após a morte

Em muitas religiões modernas havia uma crença no céu e no inferno, mas os vikings tinham uma ideia totalmente diferente da vida após a morte. Eles acreditavam que a maneira como você vivia ditava o tipo de vida que você teria após a sua morte. Para os Vikings, o melhor lugar para ir era Valhalla.

Este lugar era reservado para guerreiros que lutaram corajosamente e morriam em batalha. O próximo lugar era Helgafjell, outro lugar admirável para as pessoas que tinham vivido uma vida plena. Hellheim, em contraste, era o lugar da desonra e das pessoas que morriam de forma ruim, que morriam de velhice.

Os vikings chegaram à America do Norte antes de Colombo

Quase 500 anos antes de Cristóvão Colombo partir para o azul do oceano, os primeiros europeus a pisar nas Américas foram os Vikings liderados por Leif Eriksson. O próprio pai de Lief Eriksson, Erik o Vermelho, foi um famoso viajante antes de seu filho, e estabeleceu o primeiro assentamento europeu na Groenlândia. Supostamente, Erik, o Vermelho, deixou a Islândia para o Canadá e ordenou Leif a explorar as novas terras.

Isto levou Leif a descobrir eventualmente a América do Norte, embora ele não quisesse tomar posse da terra ou atacar os nativos americanos. Em resumo, os vikings descobriram as Américas, e as Américas permaneceram desconhecidas até Cristóvão Colombo ficar com o crédito de ser o primeiro europeu.

Os vikings preferiam os cabelos loiros

Grande parte da cultura popular em torno dos vikings os retrata como tendo cabelos loiros, e é um fato que é verdade. Por alguma razão, os vikings preferiam ter cabelos loiros e até mesmo baseavam sua definição de beleza nisto.

Assim, aqueles que não nasceram com cabelos loiros, criaram um processo para alcançar sua cor desejada. Eles usaram um sabonete muito forte com uma alta concentração de lixívia para alvejar seus cabelos. Ocasionalmente, alguns Vikings masculinos descoloriam a barba para ter o cabelo loiro mais visível.

As mulheres tinham direitos básicos

Embora mulheres e homens vikings não fossem tratados como iguais, elas certamente tinham mais direitos do que outros grupos de mulheres em todo o mundo. Elas se casavam por volta dos 12 anos de idade, deveriam cumprir papéis como mães e esposas, e tinham direitos e liberdades básicas. Estes incluíam o direito de herdar propriedade, de se divorciar e até de recuperar território se seu casamento tivesse fracassado.

Embora os homens fossem a voz de poder, as mulheres controlavam toda a esfera doméstica. Se seu marido morresse, eles herdariam todas as responsabilidades e papéis que um dia pertenceram a seus maridos. Embora isto não fosse inteiramente comum, existem algumas histórias e lendas de mulheres guerreiras conhecidas como "damas de escudos" que lutaram ao lado dos vikings masculinos.

Os homens não podiam ter tatuagens

As tatuagens já existiam desde antes dos Vikings, mas isso não significava necessariamente que todos tivessem tatuagens. Embora muitas pessoas hoje demonstrem sua herança viking através de tatuagens 'tradicionais', não está claro se as tatuagens faziam parte dos vikings, ou se eram apenas símbolos do Velho Nórdico.

Enquanto na televisão e nos filmes eles são retratados cobertos por tatuagens, não há provas físicas para provar tal arte. Além disso, considerando que os vikings se orgulhavam de sua limpeza e eram até mesmo obsessivos sobre isso, parece que não queriam cobrir sua pele com marcas permanentes.

Eles tinham um sistema de justiça único

Ao contrário da crença popular, os vikings não andavam por aí e faziam a lei em suas próprias mãos. Na verdade, eles haviam estabelecido um sistema de justiça a fim de resolver disputas e resolver crimes que aconteciam. A cultura nórdica conhecia este sistema como "Althing", que se traduzido como "A Coisa".

Regularmente, "A Coisa" era realizada e um orador da lei escutava as disputas das pessoas. Eles resolveriam estas disputas por meios pacíficos, geralmente com a ajuda de um terceiro membro, assim como nosso sistema judicial atual. Entretanto, em alguns casos, a justiça era decidida pela violência e execução ocasional.

Os vikings tinham um método interessante para fazer fogo

Embora na maioria dos casos os vikings estivessem preocupados com sua higiene e limpeza geral, eles pareciam colocar tudo de lado quando se tratava de iniciar incêndios. O processo começava coletando fungos de madeira da casca das árvores e depois fervendo-a durante vários dias na urina humana. Em seguida, eles batiaam a casca embebida com uma substância semelhante a feltro, que era fácil de transportar e durável.

Eles haviam descoberto que o nitrato de sódio na urina permitiria que o material se queimasse e não apenas se queimasse, permitindo-lhes percorrer grandes distâncias e iniciar um novo fogo rapidamente. Não é a primeira coisa que vem à mente quando se inicia um incêndio, mas foi algo que eles descobriram.

Eles se despediam do mortos em barcos

Considerando que a maior parte de suas vidas era vivida no oceano, era apropriado que seus enterros envolvessem um barco. Na religião nórdica, acreditava-se que os grandes guerreiros precisariam de um navio para atravessar para Valhalla. Portanto, Vikings proeminentes e mulheres excepcionais teriam a honra de descansar em um barco tradicional.

Junto com o corpo, o barco estaria cheio de armas, alimentos, tesouros e qualquer outra coisa que eles pudessem precisar na vida após a morte. Em algumas ocasiões, os escravos eram até sacrificados e colocados no barco para servir a seus senhores na vida após a morte.

Eles passavam mais tempo nas colheitas do que em aventuras

Os vikings podem ser melhor lembrados por sua reputação de guerreiros assustadores, mas essa não era sua profissão em tempo integral. Eles não poderiam estabelecer uma sociedade tão complexa se estivessem constantemente navegando e procurando tesouros e lutando em batalhas. Em sua maioria, eles passaram muito mais tempo colhendo do que fazendo qualquer outra coisa.

Alguns dos famosos Vikings da história, como Ragnar Lothbrok, começaram como colheitas em tempo integral até que chegaram a uma posição de poder. Na cultura viking, ser um agricultor era uma posição respeitada na comunidade, embora muitos homens também fossem invasores quando chegava a hora.

Os vikings não eram tão unificados assim

Enquanto os vikings formavam assentamentos que eram comunidades unificadas de pessoas, a cultura viking como um todo não era tão unificada. As pessoas que viviam nessas áreas não se consideravam nem mesmo Vikings. O termo Viking se refere simplesmente a todos os escandinavos que embarcaram em expedições nos mares, essencialmente agrupando-os todos em uma única categoria.

Apesar disso, na cultura viking, o que é agora Noruega, Dinamarca e Suécia era uma terra pontilhada de tribos lideradas por chefes que estavam longe de estarem unidos e constantemente em guerra uns com os outros. No entanto, eles raramente faziam coisas juntos, pois não compartilhavam muito uns com os outros.

Eles eram ótimos esquiadores

Na península escandinava, os primeiros vestígios de esqui datam de 6 mil anos atrás. Durante a Era Viking, o esqui era uma ótima maneira de se locomover no inverno, quando a maior parte da terra estava coberta de neve e gelo. Entretanto, descobriu-se muito mais tarde que o esqui não era usado estritamente para o transporte, mas também para lazer.

Na mitologia nórdica, existe até um deus do esqui chamado Ullr. Também se supunha que o esqui era usado em zonas de guerra para procurar a vida selvagem e mover grandes exércitos por terra que de outra forma seriam intransitáveis.

Os vikings comercializavam escravos

Os vikings geralmente adquiriram escravos em suas expedições de ataque à Europa Oriental e às Ilhas Britânicas. Por outro lado, tornar-se um escravo também poderia ser um castigo na sociedade viking como forma de justiça. O comércio de escravos era uma das mercadorias mais importantes entre os vikings e era incrivelmente lucrativo. Os escravos seriam trocados por mercadorias ou outros escravos, dependendo das necessidades dos vikings.

Eles podem usar escravos para ajudá-los a cuidar de sua fazenda, trabalhar em casa ou em uma variedade de outras necessidades na comunidade. Eles eram essencialmente tratados como gado, viviam sem direitos e à mercê de seus proprietários. Entretanto, os escravos também poderiam ser libertados por seus proprietários se obtivessem sua liberdade ou outros poderiam comprar sua liberdade.

Eles usavam uma sopa de cebola para medir a gravidade de ferimentos

Embora possa parecer um pouco nojento, os vikings feridos retornaram da batalha com feridas abdominais e foram alimentados com sopas potentes de cebola contendo outras especiarias. Após alguns minutos, se eles pudessem sentir o cheiro da cebola dentro da ferida, isso significava que havia sérios danos abdominais.

Normalmente, isto significava que o estômago tinha sido aberto e que a morte era inevitável. Ainda hoje, há uma pequena chance de sobreviver a tal ferida, portanto, no tempo dos vikings, não havia como sobreviver.

Os vikings ajudaram a inspirar o nome "Bluetooth"

Harald Bluetooth foi um lendário rei Viking da Dinamarca e da Noruega. Durante seu reinado, ele conseguiu unir muitas das tribos vizinhas e criar uma infraestrutura extremamente estável para que todos pudessem coexistir. Assim, quando Jim Kardack, o fundador do Bluetooth, deu o nome de sua invenção, deu-lhe o nome do rei.

Ele achou que era apropriado dar tal nome na esperança de reunir as pessoas, como fez o Bluetooth. Também, você já se perguntou o que é o símbolo para Bluetooth? O símbolo é uma mistura das Norse Runes para "B" e "H", as iniciais de Harald Bluetooth. Se ao menos o Rei Bluetooth soubesse que suas ações como um antigo rei ressoariam tanto em nossa sociedade moderna...

Eles abandonavam as crianças fracas

Assim como os espartanos na Grécia, força e saúde eram qualidades necessárias nas crianças. Se uma criança nasceu doente ou fraca, ela não era suficiente para contribuir ou lutar pela sociedade, e era considerada um fardo sem sentido. Como método para economizar recursos e seu próprio tempo, essas crianças eram abandonadas na floresta ou jogadas no oceano.

Isto foi visto como uma alternativa melhor ou um ato de misericórdia. A vida viking era muito difícil, por isso não havia lugar para crianças fracas. Cerca de 80% das crianças vikings viveram até os cinco anos de idade e lá se esperava que trabalhassem, aprendessem a lutar e contribuíssem como todos os outros.

A cultura viking inspirou a trilogia "Senhor dos Anéis"

Acredite ou não, a mitologia viking ajudou a inspirar a fantasiosa e icônica trilogia do autor J.R.R. Tolkien, "Senhor dos Anéis". Na mitologia viking, há a história do Anel de Andvari, que é uma lenda sobre um anel que amaldiçoa quem quer que o use.

Se isso não o convencer, a lenda é ambientada em um universo que lva o nome de Midgard, que se traduz para a Terra Média. Apesar disso, não foi todo o romance de Tolkien que foi baseado na lenda nórdica, é claro que ele foi inicialmente inspirado por uma história contada pelos nórdicos milhares de anos atrás.

Fonte: Greedy finance
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp