Sexta, 20 de Maio de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

28°

23° 30°

Teresina - PI

Últimas notícias
Cinema
Cinema
As últimas notícias do cinema, trailers e entrevistas, horários de filmes, e muito mais.
Entretenimento Entretenimento
15/01/2022 15h11 Atualizada há 4 meses
Por: Bruna Dias

Três motivos para assistir A Filha Perdida, da Netflix

Desde o lançamento no dia 31 de dezembro de 2021, A Filha Perdida vem ocupando um lugar de destaque entre os filmes de lingua inglesa mais assistidos da Netflix.

No ranking geral, divulgado pelo próprio serviço de streaming, o longa só fica atrás do aclamadíssimo Não Olhe Para Cima e Mãe x Asdroides, que acaba de chegar na plataforma.

Divulgação Netflix
Divulgação Netflix

Abaixo, separamos alguns 3 motivos para você assistir ao longa. Confira!

Continua depois da publicidade

A história

Estrelado por Olivia Colman, a produção é uma adaptação do livro homônimo de Elena Ferrante, lançado lá em 2006. Nas redes sociais, o filme tem dado o que falar, já que a história acompanha as férias de uma professora universitária de 48 anos que faz uma visita ao passado quando uma jovem mãe (Nina) e sua filha (Elena) que estão hospedada por perto, trazem antigas lembranças.

Elenco de peso

Mais do que o enredo, o filme marca a estreia da atriz Maggie Gyllenhaal que esteve à frente da direção e do roteiro. "Eu aproveitei a liberdade que Ferrante me deu e mudei muita, muita coisa, mas acredito sinceramente que o roteiro e o filme tenham um diálogo forte com o livro", disse em entrevista ao The New York Times.

A atriz Jessy Buckley entra em cena dando um show de atuação. Dakota Jaohnson, Peter Sarsgaard, Ed Harris, Paul Mescal, Oliver Jackson-Cohen e Jack Farthing também integram o time.

Reflexões poderosas

A trama, como já citamos aqui, gira em torno da maternidade (de forma não romantizada) e todas as complexidades que essa fase representa. É, literalmente, tocar na ferida, sabe? Deixando claro que a existência feminina não é, obrigatoriamente, relacionado a figura de se tornar mãe.

Outro ponto de destaque fica por conta do mito de que mulheres de meia-idade e divorciadas são solitárias, tristes e amarguradas! Nada disso. Leda mostra que é possível sim aproveitar a vida sendo a sua melhor e própria companhia.

Fonte: Metrópoles
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp