Sábado, 21 de Maio de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

29°

23° 30°

Teresina - PI

Últimas notícias
Radar Político
Radar Político
Últimas notícias, entrevistas, reportagens e análises sobre o que acontece na política.
Brasil Crítica
13/05/2022 08h09 Atualizada há 1 semana
Por: Carol Sousa

Lula critica reforma trabalhista aprovada no governo Michel Temer

Nesta quinta-feira (12) o pré-candidato à presidência pelo do PT Luiz Inácio Lula da Silva criticou a reforma trabalhista aprovada durante o governo Michel Temer.

Segundo o ex – presidente a reforma foi feita com base em achismo a respeito da força do movimento sindical e que a mentalidade de quem a fez é ‘’escravocrata’’.

Lula critica reforma trabalhista aprovada no governo Michel Temer

A fala se deu durante entrevista concedida ao canal CNN.

Continua depois da publicidade

“A mentalidade de quem fez a reforma trabalhista e a reforma sindical é a mentalidade escravocrata, a mentalidade de quem acha que o sindicato não tem que ter força, que o sindicato não tem representatividade”, afirmou Lula em encontro com sindicalistas em São Paulo.

“[Em] um mundo desenvolvido, em que você tem economias fortes, você tem sindicato forte”, acrescentou o pré-candidato.

Lula ainda mencionou que utilizou uma parte do seu mandado para defender os trabalhadores.

“Vou dar um exemplo pra vocês. Na crise de 2008 e 2009, eu fiz R$ 47 bilhões em desoneração. Toda a desoneração que eu fiz era compartilhada com o movimento sindical. Tinha que ter a contrapartida. Nós vamos fazer um benefício para o empresário, e o que o trabalhador ganhou nesse benefício? Vocês participarem das mesas de negociação. Porque, senão, você distancia os interesses na mesa de negociação. E você vai tornando o trabalhador cada vez mais frágil.”

O petista também afirmou que o estado deve exercer a função de árbitro em negociações entre empresas e trabalhadores.

“Temos que ter consciência de que a relação capital e trabalho não pode continuar que nem hoje. O Brasil não será um país civilizado se a gente não tiver a compreensão que as duas partes precisam ser tratadas em igualdade de condições. O estado não tem que tomar parte de um lado ou do outro. O estado tem que funcionar como árbitro para que as partes possam negociar aquilo que interessa ao conjunto, sabe, tanto dos trabalhadores quanto dos empresários. E algum acordo vale muito.”

Fonte: CNN
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp